Arquivo

Archive for the ‘Editorial’ Category

Jesus Cristo

Jesus Incomparável – Dr. John Edmund Haggai

imagesCA8L7YYH

ELEVADO PADRÃO DE HUMANIDADE

Ele demonstrou ao mundo o mais elevado padrão de moralidade. Não se curvou às autoridades da época, tampouco aceitou ser manipulado pelos religiosos. Todos seus atos tinham um único propósito: resgatar o homem da sua condição caída. Para isto, elevou nosso condição, carregou nossos pecados, venceu a morte e está disponível para todo aquele que nEle crer.

Muitas qualidades foram atribuídas a Ele, mas nada se compara ao texto do Dr. John Edmund Haggai. Ele declarou ao mundo o quanto Ele é incomparável!

Este vídeo não pode deixar de ser visto.

Desfrutem desta linda mensagem cristã.

Autor José Maria Cavalcanti

Anúncios

Grandes Pregadores

HOMENS DE DEUS – CHARLES FINNEY (1792 – 1875)

Nasceu de uma família descrente e se criou num lugar onde os membros da igreja conheciam apenas a formalidade fria dos cultos. Tornou-se um advogado que, ao encontrar nos seus livros de jurisprudência muitas citações da Bíblia, comprou um exemplar com a intenção de conhecer as Escrituras. Eis um trecho de sua biografia: Ao ler a Bíblia, ao assistir às reuniões de oração, e ouvir os sermões do senhor Galé, percebi que não me achava pronto a entrar nos céus… Fiquei impressionado especialmente com o fato de as orações dos crentes, semana após semana, não serem respondidas. Li na Bíblia “pedi e dar-se-vos-á”. Li, também, que Deus é mais pronto a dar o Espírito Santo aos que pedirem a Ele, do que os pais terrestres a darem boas coisas aos filhos. Ouvia os crentes pedirem um derramamento do Espírito Santo e confessarem, depois, que não o receberam. Exortavam uns aos outros a se despertarem para pedir, em oração, um derramamento do Espírito de Deus e afirmavam que assim haveria um avivamento com a conversão de pecadores… Foi num domingo de 1821 que assentei no coração resolver o problema sobre a salvação da minha alma e ter paz com Deus. (…) Fui vencido pela convicção do grande pecado de eu me envergonhar se alguém me encontrasse de joelhos perante Deus, e bradei em alta voz que não abandonaria o lugar, nem que todos os homens da terra e todos os demônios do inferno me cercassem. O pecado parecia-me horrendo, infinito. Fiquei quebrantado até o pó perante o Senhor. Nessa altura, a seguinte passagem me iluminou: “ Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei. E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração”.

            A conversão de Finney e o seu imediato batismo no Espírito Santo, contados em sua biografia, são impressionantes. O amor a Deus, a fome de sua Palavra, a unção para testemunhar e anunciar do Evangelho vieram sobre ele no dia de sua entrega a Jesus. Imediatamente, o advogado perdeu todo o gosto pela sua profissão e tornou-se um dos mais famosos pregadores do Evangelho.

            Eis o segredo dos grandes pregadores, nas palavras do próprio Finney: Os meios empregados eram simplesmente pregação, cultos de oração, muita oração em secreto, intensivo evangelismo pessoal e cultos para a instrução dos interessados. Eu tinha o costume de passar muito tempo orando; acho que, às vezes, orava realmente sem cessar. Achei, também, grande proveito em observar freqüentemente dias inteiros de jejum em secreto. Em tais dias, para ficar inteiramente sozinho com Deus, eu entrava na mata, ou me fechava dentro do templo.

            Conta-se acerca deste pregador que depois de ele pregar em Governeur, no Estado de New York, não houve baile nem representação de teatro na cidade durante seis anos. Calcula-se que somente durante os anos de 1857 e 1858, mais de 100 mil pessoas foram ganhas para Cristo pelo ministério de Finney. Na Inglaterra, durante nove meses de evangelização, multidões também se prostraram diante do Senhor enquanto Finney pregava.

            Descobriu-se que mais de 85 pessoas de cada 100 que se convertiam sob a pregação de Finney permaneciam fiéis a Deus; enquanto 75 pessoas de cada cem, das que professaram conversão nos cultos de algum dos maiores pregadores, se desviavam. Parece que Finney tinha o poder de impressionar a consciência dos homens sobre a necessidade de um viver santo, de tal maneira que produzia fruto mais permanente.

Fonte: http://www.pregaapalavra.com.br/pregadores/ffinney.htm

Pregadores de Deus

CARACTERÍSTICAS DOS PREGADORES DE DEUS

a – Levar a sério o chamado para transmitir a palavra de Deus é um dos requisitos mais importantes, para isto os escolhidos devem ser leais e obedientes;

b – Devem colocar a pregação em primeiro plano sempre, pois esta é a razão do seu ministério e para isto devem preparar bem seu trabalho;

c – O fervor e a fé que são suas características, qualidades estas que farão a diferença no exato momento de promover a conversão;

d – Eles não são objeto de dúvida, são íntegros e são verdadeiros, pois não falam de uma teoria, mas daquilo que vivem e são, tendo a confiança de todos, por serem autênticos homens de Deus;

e – Estão sempre se aperfeiçoando e crescendo para levarem a boa nova de forma atrativa, como um pão novo e fresco;

f – São aqueles que espelham o Cristo vivo que habita neles, pois são entusiasmados e cheios de gozo no Senhor;

g – São pessoas que amam o pecador (não o pecado) e vão ao encontro de suas necessidades;

h – São sempre movidos e impelidos a levar a palavra a todo homem, não deixando a oportunidade passar;

i – Conhecem a Bíblia como ninguém, seus livros, capítulos e versículos, estudando-a sempre para cortar retamente a palavra de Deus;

j – Como todo ungido de Deus, usam a clareza, a lógica e a concisão para levar sua mensagem;

l – Procuram associar suas pregações com a vida prática das pessoas, enfocando-as nas suas experiências pessoais;

m – Não são meros imitadores, têm características e estilos próprios de pregar, o que tornam isso uma prática de seu ministério;

n – Conhecem a arte da comunicação, a entonação de voz e a linguagem gestual na ora que está sendo usado por Deus;

o – Sabem fazer uso de meios auxiliares (mídias) e também a música; e

p – Sabem escrever bem e o fazem com disciplina, precisão e correção gramatical, conhecendo bem as técnicas de redação.

Desejos incontidos

A CURA DA ANSIEDADE

Outro dia perguntei para a atendente de uma loja de artigos finos de couro: Quantas bolsas seriam necessárias para fazer feliz uma mulher? Ela nem pensou duas vezes e respondeu com toda convicção do mundo: ” – Muitas!”. Fiquei impressionado que a resposta foi comemorada com uma saldação típica de jovens por outra mulher e a moça que me atendia, além é claro de um “Yes!” das duas, como se houvessem treinado anteriormente. Depois de chocarem as mãos no alto, as duas saíram rindo para experimentar outros modelos. Fiquei pensando que não somente as bolsas são o objeto de consumo de muitas mulheres. Os sapatos, cintos, perfumes, vestidos e outros itens deixam muitas mulheres alucinadas. Os homens também têm suas loucuras por peças para sua endumentária, mas são mais contidos e comedidos que as mulheres. Eles também se sentem muito atraídos por carrões, relógios, óculos e outros itens que sugiram que eles têm o poder nas suas mãos.

Parece que o mercado, sabedor do enorme vazio que as pessoas possuem, está sempre disposto a exibir um produto novo e atrativo para ser o novo alvo de homens e mulheres nessa busca insaciável de preencher esse desejo ardente do interior de todos nós.

Nessa hora, recordei de uma passagem bíblica que fala sobre uma planta de floração comum na Palestina, mas de muita beleza: “Olhai os lírios do campo e vejam como eles crescem: não trabalham, nem fiam. Eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer um deles”. Jesus exortava seus discípulos a não se preocuparem tanto com as coisas exteriores e com o dia de amanhã.

Vejam que esta preocupação já existia desde aquele tempo. O Senhor percebeu que aqueles homens eram ainda muito materialistas e necessitavam de um retorno à sobriedade cristã. Eles necessitam acordar para a realidade que estava lado a lado com eles. Jesus não deixava passar uma oportunidade para redirecionar aquelas mentes cheias de pensamentos fulgazes. Isto fazia parte do treinamento diário que o próprio Senhor concedia a seus seguidores nos seus dias terrenos.

Isto é fácil de se compreender quando o tema diz respeito a pessoas que ainda não foram preenchidas por Cristo, mas quando trazemos o problema para o seio da igreja, ficamos muito preocupados.

Estamos falando de pessoas que receberam o Senhor Jesus em seus corações e aos pouquinhos foram cedendo e agora se deixam levar pelas mesmas ansiedades que faz o mover do mundo.

Nessa hora, necessitamos abrir os olhos, pois o altar de ofertas não pode se transformar em uma passarela da moda, senão estaremos fadados ao engano e aos descaminhos. Assim necessitamos acordar, por estarmos perdidos e sem rumo, para voltar imediatamente para o Senhor.

“Pensai nas coisas lá do alto. Não nas que são aqui da terra. Porque morremos e a nossa vida está oculta em Deus.”

Autor José Maria Cavalcanti

Puxando-nos para o alto

DIETA DA LEVITAÇÃO

É fácil perceber uma poderosa indústria voltada para produtos e serviços para tornar as pessoas mais leves e saudáveis.

A máquina da propaganda, trabalhando em cooperação comercial, põe mulheres e homens com corpos trabalhados para anunciar esteiras, pesos, aparelhos de stepper, bicicletas ergométricas, estação de ginástica e tudo mais que tenha a ver com “healty e fitness” (saúde e boa forma), palavras que foram incorporadas ao nosso vocabulário.

Estamos preocupados em ficar levinhos com o objetivo de estarmos em boa forma e gozando de excelente saúde. Esta verdadeira obsessão com o físico está deixando as pessoas estressadas, a ponto de cometerem loucuras para atingir seus objetivos.

Este desejo por corpos perfeitos atinge todas as pessoas, não importando a classe social, o nível cultural ou a religião que pertençam.

Mas, no dia do arrebatamento, com qual peso devemos estar para conseguirmos ser elevados ao céu?

Uma coisa é certa, quanto mais nosso coração estiver posto nos bens físicos, isto é, vinculado às coisas terrenas, menos chances teremos para a aguardada “abdução” celestial.

Muitos ficarão boquiabertos com a facilidade que alguns “cheiinhos” terão para levitar no tão esperado dia. E causará espanto ver um magrinho, aparentemente muito espiritualizado, não subir para se juntar àqueles que foram escolhidos por Deus.

Nessa hora fico imaginando a situação do craque de bola Cacá. Ele ganha rios de dinheiro e possui muita fama e faz muito sucesso. Quão difícil deve ser para ele se tornar leve, não deixando que seu coração vá se amalgamando aos bens materiais, pois tem todos os objetos mais desejados do mundo: carros da Ferrari; belas mansões; e todo o luxo que o dinheiro pode comprar. Leia mais…

Traduzir Deus

Deus é isso

 

Para mim Deus é isto: a beleza que se ouve no silêncio. Daí a importância de saber ouvir os outros: a beleza mora lá também. Comunhão é quando a beleza do outro e a beleza da gente se juntam num contraponto.

Rubem Alves in “O AMOR QUE ACENDE A LUA”

 

Nem toda a sensibilidade de escritor Rubem Alves é capaz de traduzir a gradiosidade de Deus. Muitos tentaram ver o criador de todas as coisas, mas foram ofuscados com o seu brilho. Deus é um deus que se esconde, que se aquieta, e às vezes sussurra em nosso ouvido palavras inefáveis. Ele está presente no Universo e bem pertinho de nós, no nosso coração. Ele parece distante muitas vezes, mas na verdade seu desejo é de ser íntimo. Embora seja o todo-poderoso, Ele não exige formalidades. Ao contrário, quer que falemos de maneira simples, descomplicada.

Deus é esse ser amoroso, grandioso e maravilhoso, mas que sempre se encobre. E, como fonte de vida, está sempre a se derramar para todos que o buscam.

 

AS COISAS DO ALTO

CHAMADOS DO MUNDO PARA DEUS

Quando o povo de Deus estava preso no Egito, que representa o mundo, parecia que estava esquecido naquela escravidão por 400 anos, sob o julgo de Faraó, que é a figura do opressor de nossas vidas. Mas como tudo tem um propósito nos desígnios divinos, pois 40 tipifica sempre uma provação, como a de Jesus no deserto, quando foi posto para ser tentado pelo diabo, depois de muito cansaço e fome. E 40 x 10 foi a pena máxima aplicada aos israelitas nas terras egípcias, elevada a décima casa, redundando em um longo período de submissão. Ali eles não tinham o templo, o local adquado de adoração, então eles criaram as sinagogas, que eram locais improvisados para a prática religiosa. Muitos da casa de Israel já estavam contentes ali, pois tinham bens, comiam, bebiam  e se divertiam no Egito, mesmo tendo que trabalhar no pesado diariamente, na condição de escravos. Mas era chegada a hora de Deus levantar daquele meio alguém por ele escolhido, para retirar seu povo daquele pesado jugo e levá-los para Canaã, a terra que manava leite e mel.

Quando Deus resolve nos chamar do mundo egípcio para o seu coração, muitas vezes ficamos indecisos, pois muitas coisas nos prende e ficamos com nossa mente permeada de dúvidas, visto que as coisas terrenais são muito atrativas. Deixar tudo para trás requer desprendimento e uma libertação total de nossas posses e nossos acúmulos de riquezas. Nessa hora devemos enxergar quão escravizados somos pelas bebidas, pelas comidas, jogos, diversões e muitos outros vícios, para só assim percebermos nossa real condição.

Então você se decide porque sua fé é maior que tudo aquilo, mas não pense você que o “chefão” de todas as orgias, de todas as farras, de todas as baladas, deixará você ir tranquilamente, desprendendo você de suas garras. Ele fará de tudo para predê-lo para sempre nas suas cadeias e masmorras escuras, disfarçadas de beleza. Quando ele percebe que você está decidido a se libertar, começa uma grande luta no seu interior, promovida por ele. Mesmo que você largue tudo para trás, ele perseguirá você pelo caminho até o mar vermelho finalmente se fechar para ele, aprisionando-o nas águas da morte.

Depois do Mar Vermelho, vem o deserto do Sinai, que representa nossa mente. Mais uma vez o número 40 entra em cena. Quarenta longos anos para purificar o povo das coisas impregnadas do mundo, sendo treinados pelo próprio Deus a fazer o povo confiar n’Ele: durante o dia, a rocha fendida dava sua água da vida; durante a noite, uma luz a conduzi-los; além de codornizes e maná que descia do céu para alimentá-los. Ainda assim, muitos se lamentavam relembrando das coisas do Egito e erguendo ídolos, denotando que alguns tinham outras práticas inaceitáveis. Deus então toma duas providências: envia para seu povo os dez mandamentos e manda construir o tabernáculo, que continha a arca da aliança, que ficava no “santo dos santos”, local no qual Deus falava com o sumo sacerdote.

Naqueles 40 anos, Deus trabalhou seu povo para adentrar na terra santa, mas não permitiu que muitos deles sobrevivessem ao deserto, por terem sido reprovados naquele longo caminho de purificação, com foco nas coisas lá do alto, não nas que são aqui da terra. Deus deixou no deserto as velharias com suas maledicências e lamentações, preferindo sua nova geração, representada por Caleb e Josué.

Estamos hoje no mundo, mas não pertencemos a ele. Todo dia e toda hora somos exigidos a fazer escolhas. Devemos estar com nossos corações sempre voltados a Deus para sermos iluminados pelo bom caminho. Ele está sempre a nos conduzir, saciando nossa sede e alimentando-nos com sua palavra. Já não somos escravos, fomos libertados pelo sangue de Cristo, que nos mostrou seus desejos e nos ensina a maneira correta de nossa adoração.

 Autor José Maria Cavalcanti